“Somos apaixonados pela liberdade”, afirma Telles na posse da diretoria da OAB Campo Largo

 

A advogada Patrícia Schmidt tomou posse na noite desta quinta-feira (7/2) como presidente da OAB Campo Largo, que reúne ainda advogados de Balsa Nova e Campo Magro. Também assumiram solenemente os cargos para os quais foram eleitos em novembro o vice-presidente Ricardo Sthuart Saldanha de Araújo, o secretário-geral Wilson Antonio Xavier Kuster Junior, o secretário-geral adjunto Marlon Cordeiro e a tesoureira Regiane Denise Borges.

A cerimônia, no Torres Eventos, foi conduzida pelo presidente da OAB Paraná, Cássio Telles. Estiveram também presentes a vice-presidente da seccional, Marilena Indira Winter; a secretária-geral adjunta Christhyanne Regina Bortolotto, o diretor-tesoureiro Henrique Gaede; o diretor de prerrogativas Alexandre Salomão; o presidente José Lúcio Glomb (gestão 2010-2012), a secretário-geral da CAA-PR Luciana Sbrissia Bega, a ouvidora-geral da OAB Paraná Maria Helena Kuss, o advogado e conselheiro Ivo Cezario Gobatto de Carvalho, que presidiu a subseção na gestão 2016-2018, conselheiros seccionais, presidentes de subseções e autoridades locais.

Respeito e valor

“Tem fé no Direito, como o melhor instrumento para a convivência humana; na Justiça, como destino normal do Direito; na Paz, como substituto bondoso da Justiça; e, sobretudo, tem fé na Liberdade, sem a qual não há Direito, nem Justiça, nem Paz”, disse a nova presidente da subseção ao abrir seu discurso, tomando por empréstimo as palavras de Eduardo Couture, mais precisamente o oitavo dos seus “Dez mandamentos do advogado”.

“Com o início de um novo mandato, surgem novos sonhos. Ouso sonhar ao lado dos demais diretores e dos 477 advogados da subseção, tendo como norte o respeito e a valorização da nossa classe”, afirmou a nova presidente, que vice-presidiu a subseção no triênio 2016-2018. “Vamos garantir que a advocacia receba um tratamento digno, respeitoso e justo por parte dos juízes e promotores. Nossas prerrogativas deve ser observadas sem discriminação. Também é imperioso lutar pela valorização de honorários dignos e justos”, completou Patrícia.

Gratidão

Gobatto de Carvalho emocionou-se e despertou emoções em seu balanço de despedida, fazendo questão de louvar o apoio recebido dos demais diretores, dos seus pares no Colégio de Presidentes de subseções, dos conselheiros seccionais e também de sua família.

“Felicidade é a certeza de que nossa vida não se passa inutilmente”, resumiu ao lembrar dos três anos de sua gestão, marcada pela inauguração da nova sede, em agosto de 2016, pela abertura do Centro de Convivência, pela nova sala da OAB no Fórum Cível da comarca. Gobatto de Carvalho citou ainda a organização da advocacia dativa, eventos jurídicos e ações em prol da sociedade, como a campanha por voto consciente e participação em conselhos comunitários. “Como prometido, trabalhamos para a advocacia e para a sociedade”, recordou. À sucessora, expressou votos de sucesso com uma frase: “Não existe um caminho para a felicidade; a felicidade é o caminho”.

Luciana Sbrissia Bega, secretária-geral da Caixa de Assistência dos Advogados da OAB Paraná, manifestou sua satisfação por testemunhar a posse de uma advogada à frente da subseção de Campo Largo. “Nós, advogados, somos agentes de transformação. A partir do que foi construído até aqui é que vamos seguir. Vou citar as palavras sempre inspiradoras da médica Zilda Arns: não se enganem; uma gotinha faz sim diferença no oceano”, afirmou.

Luciana destacou o papel da CAA para a advocacia e convidou todos a se engajarem nas campanhas da instituição como o fevereiro laranja, que busca aumentar o número de doadores de medula óssea; a corrida que terá renda revertida para a construção da ala infantil do Hospital Erasto Gaertner, de Curitiba, e a coleta de tênis novos e usados a serem partilhados com crianças carentes na volta às aulas.

Paixão

O presidente da OAB Paraná abriu seu discurso lembrando a todos que os dirigentes de Ordem trabalham voluntariamente pela classe, abrindo mão de horas de trabalho em seus escritórios, de momentos de lazer e de convívio familiar. “Assim fazemos porque somos apaixonados pelo direito; somos apaixonados pela liberdade”, anunciou.

Cássio Telles também afirmou se considerar o mais feliz dos presidentes da seccional por testemunhar a presença maciça da liderança feminina nos quadros paranaenses da Ordem. “Fomos de 4 para 14 advogadas presidentes de subseção. É o que temos hoje aqui e também em outras subseções importantes, inclusive as duas maiores, Londrina e Maringá. Além disso, pela primeira vez em seus 87 anos de história a seccional tem uma vice-presidente eleita pelo voto. É, para mim, motivo de grande satisfação”, declarou, citando também os demais diretores seccionais e o advogado José Lúcio Glomb. “Ele foi me conduzindo, me preparando para que eu chegasse até aqui”, destacou.

O presidente lembrou que o Brasil vive um novo momento, reencontrando seu caminho para o progresso. “Queremos, porém, progresso com felicidade e paz social”, ressalvou. Ele lembrou que o país vive sob os auspícios da mais longeva Constituição de tempos democráticos. Tal conquista, sublinhou, é fruto do empenho da advocacia, que teve expoentes ao longo de toda a história brasileira. “Ruy Barbosa defendeu a moralidade e a ética na República Velha; Sobral Pinto bradou pela liberdade e pela dignidade no Estado Novo; Evandro Lins e Silva, Raymundo Faoro e o nosso Eduardo Rocha Virmond enfrentando a ditadura militar pela volta do habeas corpus.”

Pilares

Telles também destacou o papel crucial da advocacia na Constituinte conduzida por Ulysses Guimarães. “Em 1988, nós advogados inserimos o artigo 5º que consagra as garantias fundamentais e o rol das liberdades. Lutamos por três pilares que são a ampla defesa, o contraditório e o devido processo legal. Pelo múnus público que caracteriza nossa atividade, nós, advogados, somos indispensáveis à administração da Justiça”, destacou.

O presidente listou pautas nacionais que preocupam a advocacia, como o fim da Justiça do Trabalho; advento da carteira de trabalho verde-amarela, com precarização de direitos; e o rigor das penas como solução para o combate à criminalidade. “Não podemos fechar os olhos para o ocorre ao redor. Não é com o endurecimento da lei que teremos a desejada melhora na segurança”, destacou. Citando o ex-presidente nacional da OAB Claudio Lamachia, ele fechou seu discurso lembrando dos papéis advogado: “Promover a cidadania, restaurar direitos e lutar pela justiça célere”.

 

Postado em: Notícias | Tags: ,

Desenvolvido por ledz.com.br